segunda-feira, 8 de junho de 2009

Devia ser proibido! Saudade da Dona Luzia!

(dá vontade de morder quando eu vejo essa foto, depois de tantos anos ela ainda era só carinho com meu vô)

Esses dias conversando com minha tia ela me contou sobre um bilhete antigo que minha vó escreveu e ela encontrou sem querer, eu não lembro bem o que dizia, mas eu consegui visualizar perfeitamente minha vó falando aquilo. É incrível, mas é só alguém tocar no nome da dona Luzia que eu me arrepio da cabeça aos pés. Acho que a maioria dos netos tem apego pelos avós, mas a minha era diferente. Também tenho em casa diversos bilhetes, inclusive um lindo que eu não canso de ler em que ela dizia que eu parecia com ela, e de fato pareço.



Acredito que todas as pessoas que passam pela nossa vida têm sua importância, umas com mais intensidade outras com menos, mas se fizeram parte de alguma forma é por algum motivo. Queria muito ter o poder de decidir quem vai ficar na minha, e seu pudesse, eu juro, a dona Luzia ficaria pra sempre. Minha vó foi uma das mulheres mais fortes que já conheci e mesmo sofrendo (de fato sofrendo, pelos problemas de saúde que enfrentava) eu só consigo me lembrar dela sorrindo. Linda, sempre com palavras bonitas, mesmo que sua realidade não fosse assim.
A morte tem um gosto amargo pra mim, pra todo mundo na verdade, mas quem já perdeu muita gente sabe que é impossível apagar, e a perda acaba se tornando algo muito maior e pesado, e por mais que você tente, continua doendo. Não tenho nenhum problema em falar sobre esse assunto, tanto que estou escrevendo tudo isso, na verdade a minha necessidade maior é em não deixar que nada do que eles fizeram seja apagado, pelo menos em mim, e acreditem falar deles é bonito, embora doa a ausência, é lindo saber que sou privilegiada por ter passado momentos tão felizes com os principais responsáveis por quem eu sou.
A intenção desse texto não é ser triste, e sim lindo. Minhas boas lembranças de Aparecido (pai), Seu Mané (avô) e Dona Luzia (avó).

“Devia ser proibido
uma saudade tão má
de uma pessoa tão boa
falar, gritar, reclamar
se a nossa voz não ecoa
dizer não vou mais voltar
sumir pelo mundo afora
alguém com tudo pra dar
tirar o seu corpo fora
devia ser proibido
estar do lado de cá
enquanto a lembrança voa
reviver, ter que lembrar
e calar por mais que doa
chorar, não mais respirar (ar)
dizer adeus, ir embora...”


Alice Ruiz e Itamar Assumpção

5 comentários:

Bárbara disse...

Um dia veremos o rosto resplandescente de alegria dessas pessoas queridas ao saberem que elas deixaram marcas inapagáveis em nosso ser!

disse...

É verdade Bazinha, ainda bem que temos essa certeza... acho que os acontecimentos desses últimos dias me fizeram pensar neles, lendo jornal todo dia é impossível não se envolver... Beijo linda... saudade!

ŁǺи¥ disse...

Lindo teu texto... me fez lembrar coisas de minha vida... me emocionei...

Lindo blog...

Abraço

Flávia disse...

Sem o dom de escrever com tanta beleza, posso apenas dizer: Tradução de tudo que eu sinto!

' a Ana é azeda. disse...

"Saudade é bom quando diz(traduz) de verdade aquilo que a gente sente..."

As coisas são sempre lindas por aqui! (:
;*