segunda-feira, 23 de novembro de 2009

"outra parte delira..."


"Uma parte de mim é todo mundo:
outra parte é ninguém: fundo sem fundo.

Uma parte de mim é multidão:
outra parte estranheza e solidão.

Uma parte de mim pesa, pondera:
outra parte delira.

Uma parte de mim almoça e janta:
outra parte se espanta.

Uma parte de mim é permanente:
outra parte se sabe de repente.

Uma parte de mim é só vertigem:
outra parte, linguagem.

Traduzir uma parte na outra parte
— que é uma questão de vida ou morte
—será arte?"


Ferreira Gullar

2 comentários:

*Mundo Particular* disse...

E no final uma metade
completa a outra...
Lindo poema..

Um abraço!!

Fatima disse...

"Uma parte de mim é todo mundo
outra é ninguém."..
Me vi aí. Lindo! Também quero a arte de saber juntá-las.
Parabéns.
Abraço afetuoso.